Em decisão histórica, cotas étnico-raciais são aprovadas na UNICAMP

Por Isabel Fuchs, de Campinas, SP

Hoje o dia foi histórico na Unicamp. Depois de uma longa luta, que começou há anos com a formação da Frente Pró Cotas e do Núcleo de Consciência Negra, podemos afirmar que vencemos.

No ano passado, depois de um processo intenso de pressão do movimento negro da universidade para que o movimento estudantil hierarquizasse a pauta, ocupamos a reitoria e fizemos a maior greve da história da universidade. Desta greve conquistamos três audiências públicas e a discussão e votação do projeto de cotas étnico raciais no Conselho Universitário.

Diversas entidades estiveram hoje na Unicamp, movimentos sociais e o movimento negro lotaram os entornos da reitoria, onde ocorria a reunião do conselho universitário.

Em uma das últimas cidades a abolir a escravidão podemos dizer que, finalmente, demos um grande passo no sentido da reparação histórica ao povo negro e aos indígenas.

A partir da aprovação do princípio de cotas étnico-raciais será formado um GT, que será responsável por discutir e elaborar a implementação progressiva das cotas, com o objetivo de alcançar 50% de reserva de vagas. Este projeto será referendado em 21 de Novembro, no Consu. As cotas passam a valer no vestibular de 2019, segundo a previsão do relatório aprovado hoje.

A vitória do movimento negro coloca os setores reacionários da universidade na defensiva, além disso a aprovação das cotas é ainda um tapa na cara da política racista e elitista de Alckmin.

As portas da Unicamp finalmente se abrirão ao povo negro e pobre.

VAMOS LUTAR, A UNIVERSIDADE VAI SER PRETA E POPULAR!

Comentários no Facebook

Post A Comment