Prefeito Leonardo Pascoal (PP) demite professora por perseguição política em Esteio/RS

Por Lucas Fogaça, de Sapucaia do Sul, RS

Nessa sexta feira (26/5) a professora Graziela Oliveira foi comunicada que o seu Regime Especial de Trabalho (RET) havia sido cancelado. O RET é uma espécie de convocação de emergência. A demissão do prefeito faz a educadora perder o salário e o cargo, que não tem estabilidade por não ser via concurso. Ao entrar em contato com o departamento de gestão de pessoas, a coordenação informou que a demissão eram ordens de Marcos Hermi Dal’Bó, secretário de educação. A educadora entrou em contato com o secretário por meio de memorandos eletrônicos internos do sistema dos servidores de Esteio e o secretário respondeu que ela deveria procurar o gabinete dele se quisesse esclarecimentos, numa clara atitude de evitar provas documentadas.

Graziela é membro da comissão de negociação da campanha salarial e é uma liderança da categoria dos servidores públicos municipais de Esteio. Nesta última terça feira (23/5) ela usou a tribuna da Câmara de Vereadores para criticar o prefeito e defender a categoria que está em plena campanha salarial. A demissão é uma ação coordenada pelo prefeito Leonardo Pascoal (PP) para intimidar e coagir os trabalhadores a não lutarem por seus direitos. Pascoal quer mandar um recado pro conjunto da categoria: se lutarem contra o governo sofrerão retaliações. Se não fosse tudo, prejudicará os estudantes do ensino fundamental que vão penar com a substituição da professora no meio do ano letivo.

Rodrigo Carvalho, representante do PSOL na cidade, afirmou que “Tal atitude do prefeito só deixa ainda mais claro o caráter repressor e autoritário já demonstrado na campanha eleitoral quando tentou calar verdades inconvenientes dos seus opositores por meio de um injusto processo. O que ele faz agora é ainda pior, pois se utiliza da desproporcional relação entre empregador e empregado para calar as vozes que insurgem contra seu desgoverno”.

Saiba mais: Em Esteio, RS, candidato do PP acusa jovens de esquerda de crimes eleitorais e pede até R$ 25 mil de indenização.

O prefeito Leonardo Pascoal é do Partido Progressista (PP). O PP é um dos partidos mais envolvidos nos escândalos da Lava Jato e um partido que está integralmente comprometido com a destruição da CLT e da aposentadoria e com os demais ataques do governo Temer. Está no DNA do PP o autoritarismo e a repressão. Dentre os seus líderes há vários colaboradores do regime militar.

E Pascoal representa a ala mais a direita deste partido. É do mesmo setor que o Deputado Estadual Marcel Van Hatten que apoiou o decreto do Presidente Temer que chamava as forças armadas para reprimir os manifestantes em Brasília e está hoje pelas eleições indiretas para presidente. Isto é, Van Hatten defende que seja esse congresso podre e corrupto que atua em favor dos empresários que decida quem será o próximo presidente, e não o povo trabalhador.

Conversamos com Carlos Fogaça da executiva municipal do PT de Esteio. Ele nos disse que “O PT está ao lado da companheira Grazi, que é filiada ao nosso partido. Vamos denunciar na categoria o prefeito Leonardo Pascoal que segue a linha autoritária dos governos do PP, representa a agenda neoliberal de retirada de direitos e aqui age com toda sua força para reprimir qualquer organização que contraponha seu governo. A Grazi é uma professora e grande referência na categoria dos municipários, e é por isso que vem esta retaliação. Queremos o povo e a categoria na rua para defender a companheira e denunciar o autoritarismo do Pascoal”.

Procuramos o prefeito Leornado Pascoal para ouvi-lo sobre as acusações mas até o fechamento desta matéria sua equipe não havia nos retornado.

Em tempo: Graziela apesar de perder o RET, segue sendo servidora do município quanto ao seu concurso.

Veja outras matérias sobre Esteio/RS:

Contra o preconceito, três mil pessoas marcam a 9ª Parada Livre de Esteio

Alternativa, independente e de qualidade: conheça a cultura da Casa Verde em Esteio, Porto Alegre, RS

 

Comentários no Facebook

Post A Comment