Israel recorre a ‘guerra psicológica’ para tentar quebrar greve de fome palestina

Por: Editoria Mundo

A greve de fome de 1500 presos políticos palestinos está em seu 23º dia e entra em um momento delicado, pois enfrentam a férrea repressão e a tentativa de desmoralização por parte de Israel. A saúde dos presos, alguns doentes e de avançada idade, começa a se deteriorar rapidamente. É necessária uma ação solidária rápida.  Para atualizar a situação, publicamos artigo de Charlotte Silver, originalmente publicado hoje pelo Electronic Intifada e publicado em português pelo Portal de la Izquierda, a quem agradecemos a autorização da publicação.

Tradução: Maíra T. Mendes

Mais de 1.500 prisioneiros palestinos entraram nesta segunda-feira na quarta semana sem comida, enquanto Israel intensifica seus esforços para quebrar a greve de fome.

Os presos em greve exigem melhorias nas suas condições, o fim do confinamento solitário, das pesadas restrições às visitas familiares e à detenção administrativa – prisão prolongada sem acusação ou julgamento.

Israel se recusou a negociar ou discutir as demandas dos grevistas de fome, referindo-se aos prisioneiros como terroristas e chamando a greve de uma manobra de mídia.

Enquanto isso, o Serviço Prisional de Israel está tentando desmoralizar seus participantes e seus apoiadores.

Ameaças de alimentação forçada
A mídia israelense informa que o governo está considerando trazer médicos estrangeiros para forçar potencialmente os grevistas da fome.

A Associação Médica Israelense está de acordo com a opinião médica global de que a alimentação forçada “nunca é eticamente aceitável”, como é declarado na Declaração de Malta da Associação Médica Mundial, e é equivalente à tortura.

Em um comunicado divulgado no sábado, os grevistas disseram que “nós enfatizamos que qualquer tentativa de implementar o crime de alimentação forçada contra qualquer prisioneiro em greve de fome significará para nós um projeto de execução dos prisioneiros”.

Nos anos 70 e 80, prisioneiros palestinos em greve de fome morreram como resultado de terem sido submetidos à alimentação forçada, de acordo com o grupo de direitos Addameer.

“Guerra psicológica”
No domingo, Israel lançou imagens dizendo que o líder da greve da fome, Marwan Barghouti, estava comendo doces na tenda de banheiro de sua prisão em 27 de abril e 5 de maio.

Os vídeos têm marca de horário, mas não puderam ser verificados independentemente.

Fontes do Serviço de Prisões de Israel disseram ao jornal Haaretz de Tel Aviv que intencionalmente armaram para Barghouti.

As autoridades israelenses tentaram desacreditar Barghouti desde que ele lançou a greve de fome em massa no mês passado, lançando o protesto como uma manobra política para afirmar sua popularidade e competir pela liderança da Autoridade Palestina.

O ministro da Segurança Pública, Gilad Erdan, que pressionou pela legalização da alimentação forçada em 2015, chamou Barghouti de “assassino e hipócrita”.

“A greve de fome dos prisioneiros palestinos não tem nada a ver com suas condições de prisão e tudo a ver com o interesse político de Marwan Barghouti”, afirmou Erdan no domingo, repetindo as alegações que ele fez no The New York Times na semana passada.

O advogado de Barghouti chamou o vídeo de “guerra psicológica” contra os prisioneiros.

“Nós não podemos nos referir ao conteúdo do clipe, já que eles não nos deixam encontrar com Marwan. Vamos visitá-lo e depois vamos verificar as reivindicações com ele “, disse o advogado.

A esposa de Barghouti, Fadwa Barghouti, disse que o vídeo foi um movimento “baixo” de Israel.

“Os prisioneiros estão familiarizados com as mentiras e jogos de Israel e o vídeo que lançaram sinaliza o início de sua queda”, disse ela em uma conferência de imprensa no domingo.

Punição
Depois de quase três semanas recusando-se a permitir que os grevistas de fome se reunissem com seus advogados, em 3 de maio o Serviço Penitenciário de Israel foi informado pela alta Corte que a prática era ilegal.

No fim de semana, os advogados se encontraram com os detidos nas prisões de Ketziot e Nitzan pela primeira vez desde que a greve começou.

Em Ketziot, advogados relataram que vários de seus clientes eram incapazes de andar ou ficar de pé.

Além do aumento dos ataques e das transferências para o confinamento solitário, Israel também começou a pegar dinheiro das contas dos encarcerados.

Em resposta, a Autoridade Palestiniana anunciou que deixaria de pagar subsídio aos prisioneiros. Este dinheiro é usado para compras na conveniência da prisão, incluindo sal, um nutriente vital para os grevistas de fome.

De acordo com advogados que visitaram Ketziot, as autoridades penitenciárias negaram aos prisioneiros o acesso à conveniência e começaram a multá-los por não se levantarem durante a chamada.

Um comitê formado para apoiar a greve de fome está pedindo à Autoridade Palestina para interromper a coordenação de segurança com Israel e suspender as eleições municipais agendadas para 13 de maio.

Existem cerca de 6.300 prisioneiros palestinos presos por Israel, de acordo com o grupo de direitos Addameer.

Comentários no Facebook

Post A Comment