A desconstrução do político

Por: Silvia Ferraro, colunista do Esquerda Online

“Não sou político, sou gestor”! A frase mais pronunciada pelo prefeito eleito da maior cidade do país é recheada de significado, político, obviamente.

Em tempos de crise econômica e política, o fenômeno de figuras que surgem como se estivessem à margem da política é recorrente. O anti-político não seria corrupto, não governaria por interesses próprios, não faria tudo para se manter no poder. Características identificadas com os políticos e que são repudiadas pela maioria da população, são desconstruídas e resignificadas a partir da construção de outra imagem, outro perfil, outra identidade.

No caso de João Dória, apadrinhado do governador Geraldo Alckmin, o perfil que os marqueteiros construíram para se encaixar na sua biografia foi o de gestor. O termo gestor é próprio do mundo empresarial. João Dória como grande empresário do ramo da comunicação e do marketing, se encaixou perfeitamente no perfil.

A concepção da cidade-negócio combina com a necessidade de ter um gerente à frente, aquele que vai fazer a cidade dar lucro, que vai administrar a cidade como quem aplica na bolsa de valores. O antagonista ao político, neste caso, seria o empresário bem-sucedido, que já é milionário e por isso não precisaria roubar.

Mas, para fechar todos os flancos e emplacar um personagem imbatível, faltava ainda um elemento que criasse identificação com a maioria do eleitorado que não são de ricos empresários. O “João Trabalhador” foi o personagem inventado para criar a empatia com os periféricos, com os que vivem do trabalho.

Não seria contraditório um empresário que ao mesmo tempo é trabalhador? Para quem viveu o ascenso do operariado brasileiro nos anos 80, com as fortes greves e com o surgimento do próprio Partido dos Trabalhadores como expressão do proletariado que lutava, é uma tremenda contradição. Naquele momento, a classe trabalhadora era educada no classismo, na concepção de que era impossível governar para ricos e pobres ao mesmo tempo e que os empresários eram exploradores e deveriam ser enfrentados pelos explorados. Mas, quem viveu para ver o mesmo PT apregoar que os banqueiros, empresários, ruralistas eram grandes amigos dos trabalhadores e que trabalhavam tanto quanto eles, não fica difícil entender como chegamos até aqui.

Não é possível entender como Dória é eleito no primeiro turno com 53% dos votos, ganhando nos extremos da Zona Leste e da Zona Sul, sem levar em conta dois elementos fundamentais. O primeiro, a própria crise do PT, fruto do esgotamento do modelo econômico que sustentou um governo de colaboração de classes por 13 anos e tendo como consequência a crise econômica combinada com a crise política turbinada pela operação Lava Jato. O segundo, a própria deseducação nefasta que o PT fez com a classe trabalhadora, destruindo o acúmulo político de um dos períodos mais intensos da luta de classes no Brasil.

Esse terreno fértil foi cavalgado pelo fabricado “anti-político” João Dória, que aproveitará a onda para aprofundar a aplicação do projeto neoliberal na cidade, privatizando os espaços e os serviços públicos, aliás a especialidade do grupo Dória. Um dos objetivos do ramo empresarial de Dória é “promover e incentivar as relações empresariais e sensibilizar o apoio privado para educação, sustentabilidade e programas sociais”, traduzindo, abocanhar tudo o que é público para as parcerias com as empresas privadas.

Que os votos que os trabalhadores, que antes votavam no PT, deram agora em Dória, representam um retrocesso na consciência, não podemos ter dúvida. Os anos de governos de conciliação de classes não foram superados ainda por uma alternativa à esquerda. Por mais que o PSOL tenha saído fortalecido das eleições, ainda representa uma alternativa minoritária, bloqueada pela Reforma Política de Cunha. Infelizmente, a ruptura com o PT está sendo capitalizada pela direita. Mas, o terreno eleitoral não é soberano. Não podemos afirmar que a decepção com o novo gerente não irá chegar. A insatisfação social não será resolvida com marketing.

Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil (03/10/2016)

Comentários no Facebook

Post A Comment